Bulgária. Viajando de bicicleta e acampando bastante, antes do inverno rigoroso chegar, neste país cheio de natureza e história. (For other langages, please use browser or website translator)

IMG_20181114_154408_916

A Bulgária apresenta muitas áreas de natureza preservada e bela, onde acampamos selvagem por várias vezes, e consideramos este o ponto forte durante nossa passagem por lá. O idioma é o Búlgaro e o alfabeto é o cirílico, com o tempo aprendemos a ler, ajudando a identificar o nome dos lugares e cidades no mapa e nas placas pela estrada. Assim como no restante da união Européia, acampar livre é proibido, porém é tolerado e não tivemos qualquer problema durante nossas acampadas por lá.

trechobulgaria

Entramos na Bulgária vindos da Macedônia por uma pequena fronteira próxima ao vilarejo de Strumeshnitsa, com a bela decoração de Outono, os dias já estavam mais curtos, mais frios e as temperaturas na madrugada caiam abaixo de zero, deixando a barraca com uma fina camada de gelo por fora. Pedalamos cerca de 650 km pelo país, subindo um pouco rumo ao norte, depois seguindo sentido mar negro e margeando o mesmo para entrarmos para a Turquia.

 

Pedalamos cerca de 6 km depois da fronteira da Bulgaria com a Macedonia e da pista avistei uma mesa de picnic em meio a natureza. Paramos e decidimos passar nosso final de tarde e noite nesse belo cantinho próximo ao vilarejo de Strumeshnitsa, na Bulgária. O lugar estava incrivelmente adornado pelo Outono, com aquele chão castanho ouro das folhas caídas, um rio de águas cristalinas ao fundo e uma linda árvore, enorme, ao lado da mesa de picnic. Usamos a água dos rio para nos banharmos e cozinharmos e na manhã seguinte o único movimento próximo foi de um rebanho de cabras passando.

IMG_20181113_201324_747

No dia seguinte acordamos cheios de energia depois de dormir tranquilos em um lugar tão bonito e continuamos pelo sobe e desce das estradas, o país é bem montanhoso. Chegamos a uma cidade um pouco maior chamada Petrich, onde trocamos nosso dinheiro pela moeda Búlgara, o “Lev”.

 

Perto de uma cidade chamada Kresna, já no final de tarde, avistamos um parque na lateral da rodovia, encontramos uma saída de estrada de terra que levou-nos até lá. O lugar era às margens de um rio e não havia ninguém no local. Empurramos a bicicleta por alguns minutos e encontramos um cantinho bem bacana para colocar nossa barraca. O lugar era bem discreto e ficamos praticamente escondidos em meio a natureza. Passamos uma noite silenciosa e tranquila, uma vez que o lugar ficava um pouco afastado da rodovia.

 

Continuamos pela rodovia sentido Norte/ Sofia e passamos por lugares muitos bonitos. A natureza na Bulgária é exuberante. Pesquisando no GPS encontrei um outro parque próximo a rodovia e decidimos ir até lá para ver se valeria a pena para passarmos a noite. Próximo ao vilarejo de Kotcherinovo, passamos por um lugar onde algumas garotas estavam na beira da rodovia aguardando clientes para fazer “programas”, ficamos um pouco receosos em ficar por ali, pois o parque estava próximo, mas entramos por uma estrada de terra e nos embrenhando pelos caminhos logo nos afastamos da rodovia e chegamos a beira de um rio. O lugar era muito tranquilo e bonito e antes do sol se por já havíamos montado acampamento e lavado algumas roupas. Logo antes de entrarmos na barraca, com a noite caindo, chegou um carro, que nos vendo por ali deu meia volta e saiu, pensamos: “Será que estamos ocupando o lugar do programa das meninas?” e a Flavinha logo disse brincando, depois que o carro saiu: “O lugar já esta ocupado”, hehehehe. Não apareceu mais ninguém e dormimos tranquilos.

 

O final do Outono já começava a mostrar a força do inverno que chegava por estes lados do mundo. Dias gelados com sol e noites com temperaturas negativas que deixavam a barraca e a bicicleta todas congeladas pela manhã. Acampar selvagem estava ficando mais difícil e começamos a optar por campings pagos (com preços mais baixos nest época do ano) ou pequenos hoteis quando o clima ficava muito difícil.
O trajeto começou a ficar mais montanhoso e chegamos a cidade de Sapareva Banya, que mesmo fora de temporada ainda apresentava movimento de turistas devido a suas águas termais. Ficamos em um camping e pagamos cerca de 15 Levs por dia para os dois.

Nós não entendíamos uma palavra, mas foi divertido passar algumas noites com uma turma de búlgaros animados no camping.

IMG_20181123_192342_640

Adoramos quando estamos com fome buscando um lugar para prepararmos o almoço na beira da estrada e nos deparamos com estes “Oasis”, uma mesa de picnic com uma fonte de água. Não são tão comuns de encontrar como na Suiça, mas prestando a atenção por onde passávamos, de vez em quando avistávamos áreas de picnic.

 

Com o frio chegando com força, lugares interessantes para camping selvagem estão normalmente tranquilos e super silenciosos a noite. Passamos pela cidade de Samokov e logo começou uma longa subida até a cidade de Borovets, que é uma ponto turístico para prática de esqui, prestando atenção ao lado da estrada percebemos que havia  uma mesa de picnic em meio as árvores e uma plaquinha escrita em Búlgaro. Utilizando o Google tradutor descobrimos que estava escrito: “mantenha limpo”. Já que não estava escrito “proibido acampar”, ficamos por alí mesmo e aproveitamos a mesa para fazer nosso jantar.

IMG_20181123_225444_755

Saímos pela manhã sem um lugar certo para passarmos a noite. A manhã estava bem fria, mas a subida foi puxada e chegamos suando a cidade de Borovets, depois veio uma longa descida que fez o dia render bastante. No final da tarde próximo a cidade de Zvanichevo, novamente vimos pelo GPS que havia um rio chamado Maritsa nas proximidades e chegando às margens, achamos o lugar bem interessante e tranquilo para acamparmos.

IMG_20181124_172909_724

Na cidade de Plovdiv, segunda maior cidade da Bulgária (Sofia, a capital, é a maior) tentamos hospedagem solidária (warmshowers e couchsurfing) mas não conseguimos, então encontramos um quarto de hostel com preço em conta (cerca de 12 Euros por dia o quarto de casal) e nos deixaram ainda colocar a bicicleta do lado de dentro para ela ficar protegida. O hostel era muito simples, mas bem limpo e seguro. Precisávamos ficar uns dias em um quarto, para descansarmos melhor, fugirmos um pouco do frio do inverno que se aproxima e conhecermos melhor esta cidade milenar e cheia de história.

Ficamos 3 noites na cidade de Plovdiv, o suficiente para descansarmos e conhecermos os principais pontos turísticos. A história de Plovdiv remonta a 6000 anos atrás, muito antes de Atenas ou Roma, o que a torna uma das cidades europeias que continuamente habitadas durante mais tempo. Conhecida como Eumolpia, no ano 342 a.C. foi conquistada pelo rei Filipe II da Macedônia, pai de Alexandre, o Grande, que mudou o nome da cidade para Philippopolis(Filipópolis). Mais tarde tornou independente sob o domínio dos trácios, que a denominaram Pulpudeva (tradução de “Philippopolis”), até que foi incorporada ao Império Romano. Seu nome mudou para Trimontim (“Cidade das três colinas”) e se tornou a capital da província de Trácia. Ainda pode-se encontrar numerosos restos romanas na cidade. Durante a Quarta Cruzada, ali foi estabelecido o Ducado de Filipópolis.
Os eslavos tomaram a cidade no século VI e a chamaram Puldin. Os búlgaros a conquistaram no ano 815. O nome Plovdiv aparece pela primeira vez no século XV.

IMG_20181126_120302_163

O final de novembro já apresentava um Outono bem frio e chuvoso, com períodos de nevascas, na Bulgária. Os dias de sol começaram a ficar raros  e temperaturas entre 8 e 0 grau celsius se tornaram o padrão. Pedalar no frio com roupa quente até que é tranquilo, o ruim são as paradas, quando o corpo e o suor esfriam. Na hora de trocar pneus também era pior com o frio, pois quando eu retirava as luvas os dedos congelavam.

Depois de um longo dia pedalando no frio e chuva e trocando pneu furado, vimos pelo Google Maps que havia uma pequena área de mata próxima a pista, perto do vilarejo de Svoboda. Chegando lá, saímos por uma pequena estrada de terra e logo encontramos uma floresta de pinheiros, fechada e tranquila. Durante o dia até que o visual era aconchegante, mas durante a noite ficou uma escuridão e um aparência sinistra, tipo cenário de filme de terror, nem ousamos sair da barraca, hehehe 👻.

IMG_20181126_135623_003

Depois de tantos dias de frio e chuva, chegamos em um lugar bonito na região de Sliven, as margens do Rio Tundzha, o tempo mudou a começou um sol quentinho no final da tarde, que foi ótimo pois aproveitamos para secar nossas coisas antes de montarmos acampamento. Os dias mais curtos, a chuva e o frio estavam dificultando a secagem das nossas coisas.

IMG_20181126_141053_954

A tarde ensolarada do dia anterior foi seguida de chuva a noite inteira e pelo resto do dia enquanto pedalamos. No final da tarde estávamos muito cansados e decidimos acampar em uma das poucas áreas gramadas ao lado da estrada, próximo a cidade de Karnobat. Era ao lado de uma plantação e havia muito barro, que transformou nossos sapatos em “pés de elefantes” e grudou em tudo. O maior alívio foi quando nos trocamos e entramos nos nossos sacos de dormir quentinhos para dormirmos e sabíamos que no próximo dia seríamos hospedados por um amigo e sua família.

IMG_20181126_143640_952

O dia seguinte, aniversário da Flavinha, não foi fácil, começou com muita chuva e frio, depois de uma noite acampando selvagem. O dia inteiro de pedal foi de frio, chuva e vento contra e a apenas 2,5 km da casa do amigo que iria nos hospedar na cidade de Burgas, litoral Búlgaro com o Mar Negro, pegamos uma ciclovia inacabada que apresentava um trecho de puro off-road e lama devido as chuvas. Levamos 2 horas para percorrer estes poucos quilômetros. A bicicleta ficou emperrada no barro e tivemos que carregar as bagagens e ela separadamente por um bom trecho. Foi um momento muito difícil depois de um longo dia, houve um momento em que olhavamos para o céu, com a chuva forte caindo nos nossos rostos, a bicicleta toda travada por uma lama espessa e nós todos sujos, cansados, com os pés enfiados na lama e começamos a gritar para os céus e xingar para aliviar o estresse e puxar aquela força interior para continuarmos.

Mas no final do dia tudo acabou bem graças aos amigos Dragomir e Diana, que nos receberam. Pudemos tomar um banho quente e depois veio um delicioso jantar e a surpresa de um bolo de aniversário. Nestas horas que percebemos como as adversidades climáticas podem ser duras e como a ajuda alheia pode amolecer qualquer coração.

Não temos palavras para agradecermos este incrível casal de búlgaros que nos recebeu com tanta hospitalidade e carinho. Dragomir e Diana são pessoas lindas que tornaram nossa viagem mais especial. Conheci o Dragomir nos tempos de faculdade, quando ele foi fazer um intercâmbio no Brasil. Depois de mais de 14 anos ele nos recebeu em sua casa na cidade de Burgas, Bulgária. Ele e sua esposa cuidaram de nós como filhos, levaram para passear, comer, beber e conversamos bastante. Graças a eles, foi possível conhecer vários lugares muito interessantes e históricos, a maioria deles em regiões montanhosas, muitos dos quais não conhecíamos e seria muito difícil chegar pedalando. Foram momentos fantásticos dos quais nunca vamos nos esquecer. Esperamos um dia poder agradecê-los de alguma forma, quem sabe no Brasil 😊.

Nossos anfitriões Dragomir e Diana nos levaram para passear na história e pitoresca cidade de Nessebar (em búlgaro: Несебър, também dita Nesebar ou Nesebur, nome antigo: Mesembria), esta é uma antiga cidade da Bulgária e a maior cidade de veraneio do Mar Negro, na costa da Bulgária. Chamada constantemente de “Pérola do Mar Negro” e Dubrovnik da Bulgária, Nessebar é uma cidade-museu rica em histórias com mais de três milênios de idade. Originalmente um assentamento trácio conhecido como Menebria, a cidade se tornou uma colônia grega quando invadida pelos dóricos de Mégara, no começo do século VI a.C., e foi um importante centro comercial que rivalizava com Apolônia no Ponto (Sozopol). Permaneceu a única colônia dórica próxima da costa do Mar Negro, como as outras colônias jônicas típicas. Vestígios do período Helenista incluem a acrópole, um templo de Apolo, e uma ágora. Um muro que formava parte das fortificações ainda pode ser visto no lado norte da península. Moedas de bronze e prata eram cunhadas na cidade desde o século V a.C. e de ouro a partir do III a.C.  A abundância de construções históricas, fizeram com que a UNESCO a incluísse na lista do Patrimônio Mundial em 1983.

IMG_20181129_152703_680

Com eles também conhecemos a bela igreja ortodoxa no vilarejo de Shipka, uma obra de arte. O Templo Comemorativo do Nascimento de Cristo (búlgaro: рам-паметник „Рождество Христово“, Hram-pametnik „Rozhdestvo Hristovo“), mais conhecido como a Igreja Memorial Shipka ou Mosteiro de Shipka é uma igreja ortodoxa búlgara construída perto da cidade de Shipka em Stara Planina entre 1885 e 1902 para o projeto de Antoniy Tomishko no estilo moscovita do século XVII, sob a direção do arquiteto Alexander Pomerantsev. É, juntamente com as outras partes do complexo do Monumento a Shipka, dedicado aos soldados russos, ucranianos e búlgaros que morreram pela libertação da Bulgária na Guerra Russo-Turca, 1877-78.

A Bulgária é um país compostos por pelas paisagens e uma rica história milenar. O monumento em referência a aliança russo-búlgara contra o império otomano, localizado na região de Shipka, representa bem isto, a união da história e de belas paisagens.

IMG_20181129_164452_879

Estava muito bom ficar na casa dos nossos amigos Búlgaros, mas queríamos continuar a viagem. O clima estava ficando cada vez mais agressivo com a chegada do inverno. Saímos cedo da cidade de Burgas e depois de cerca de 20 km começou uma chuva que não parou mais, associada a queda na temperatura e alerta amarelo de tempestade. Sabendo disto, antes das 16h já começamos a buscar um local onde poderíamos passar a noite com a barraca em um local seco. Ao longe avistamos uma cabaninha que parecia abandonada. Fomos checar e o local ainda estava bem conservado. Fizemos uma faxina geral, colocamos o footprint da barraca para fechar janela e porta e montamos apenas a parte de dentro da barraca nesta “casinha”. Logo começou uma tempestade e tivemos muita sorte em termos encontrado este local. A noite apesar do vento, frio e chuva forte, tudo ficou seco e conseguimos dormir mais tranquilos.

Começou a esfriar bastante por aqui e já esta parecendo que jogaram “açucar de confeiteiro” em tudo. Chegamos ao vilarejo de Brashlyan com alerta laranja de nevascas, achamos melhor buscar um lugar protegido e não tentarmos acampar selvagem. Encontramos um pequeno hotel cujos donos eram dois velhinhos muito simpáticos e por ali ficamos.

Sra Rushka e Todor eram os donos do pequeno hotel de Brashlyan. Eles nos acolheram com muita hospitalidade. Com a ajudar do tradutor do celular, conversamos sobre os mais diversos assuntos, o sr Todor nos ofereceu uma bebida alcoolica que ele produzia, e a sra Rushka, que foi chefe de cozinha, preparou um jantar delicioso e um café da manhã cheio de guloseimas saborosas. O quarto tinha um fogãozinho a lenha dentro e apesar das temperaturas negativas e da nevasca do lado de fora, ficamos bem quentinhos la dentro.

Estava difícil cruzar a fronteira entre a Bulgária e Turquia. Fomos convidados para um casamento turco e não queríamos perder de jeito nenhum, mas mesmo assim a 5 km da fronteira tivemos que parar na cidade búlgara de Malko Tarnovo, uma nevasca deixou essa fronteira montanhosa complicada para atravessar de bicicleta. No outro dia a previsão era de pouca neve, então decidimos tentar atravessar no outro dia e ir direto para a cidade onde foi o casamento.

Acordamos cedo, ainda nevava, mas querímos chegar ao casamento turco de qualquer jeito. Colocamos nossas roupas de frio, subimos na bicicleta e saímos pedalando e derrapando na neve sentido a Turquia. A fronteira (Dereköy Sınır Kapısı – Malko Tarnovo) era montanhosa e por várias vezes empurramos a bicicleta pois a pista estava muito escorregadia, com trechos de gelo na pista. Quando paramos na fronteira haviam vários carros e pessoas e o corpo deu aquela congelado enquanto esperávamos. Atravessamos e começaram descidas que fizeram render nosso dia.

Chegamos finalmente a cidade turca de Kirklareli, onde o casal de turcos que nos convidou para o casamento nos esperavam, mas este já é o assunto para um próximo post. A Bulgária nos surpreendeu por suas belas paisagens de natureza cheia de lugares interessantes para acampar e história muito rica.

IMG_20181129_161419_964

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.