Trecho final – Brasil : Os últimos quilômetros de nossa longa aventura. De volta em nossa terra natal. (For other languages, please use the browser or website translator)

Com a viagem parada desde 15 de março de 2020 e sem uma perspectiva de melhora do cenário global para viagens internacionais. No final de Julho tomamos a decisão de encurtar nossa viagem, mas pelo menos terminá-la pedalando, o que seria muito simbólico e importante para nós. O plano foi sair da cidade de Taubaté, … Continue lendo Trecho final – Brasil : Os últimos quilômetros de nossa longa aventura. De volta em nossa terra natal. (For other languages, please use the browser or website translator)

Pandemia, longa pausa e replanejamento.(For other languages, please use the internet or browser translator)

A nossa espera por uma melhora no cenário mundial devido a pandemia pelo novo Corona Virus (COVID-19) depois de mais de 40 dias parados na Nova Zelândia não sinalizava uma melhora. Nossos planos seriam voar da Nova Zelândia para os Estados Unidos no final de Março, e de lá ir sentido sul voltando para casa, … Continue lendo Pandemia, longa pausa e replanejamento.(For other languages, please use the internet or browser translator)

Balanço final da viagem. De Julho de 2017 a Agosto de 2020.

Hoje analisaremos os dados de 1113 dias de cicloviagem. Dados relacionados a quilometragem, tempo pedalado, gastos com comida, hospedagem, turismo, manutenção da bicicleta e curiosidades. Então vamos a eles: DADOS RELACIONADOS A QUILOMETRAGEM EM 1113 DIAS -KM TOTAL PEDALADOS: 28812 Km -KM total de carona: 2776 km -KM total de trem: 180 KM -KM TOTAL … Continue lendo Balanço final da viagem. De Julho de 2017 a Agosto de 2020.

Nova Zelândia de bicicleta, parte 2 – Ilha Norte. Um país de belas paisagens, rios cristalinos, fauna e flora peculiares e o playground das camper vans e motor homes. (For other languages, please use the internet or browser translator)

Chegamos a ilha norte Neo Zealandesa vindos de ferry boat, da cidade de Picton desembarcando em Wellington, a capital do país. A ilha norte foi outra surpresa para nós, ela tem um estilo diferente da sua irmã ao sul, o clima, a infra-estrutura e até o jeito das pessoas. Neste segundo trecho na Nova Zelândia … Continue lendo Nova Zelândia de bicicleta, parte 2 – Ilha Norte. Um país de belas paisagens, rios cristalinos, fauna e flora peculiares e o playground das camper vans e motor homes. (For other languages, please use the internet or browser translator)

Dados de 975 dias de viagem (30/07/2017 a 31/03/2020)

Hoje analisaremos os dados de 975 dias de cicloviagem. Dados relacionados a quilometragem, tempo pedalado, gastos com comida, hospedagem, turismo, manutenção da bicicleta e curiosidades. Então vamos a eles: DADOS RELACIONADOS A QUILOMETRAGEM EM 975 DIAS -KM TOTAL PEDALADOS: 27853Km -KM total de carona: 2746 km -KM total de trem: 180 KM -KM TOTAL PERCORRIDA: … Continue lendo Dados de 975 dias de viagem (30/07/2017 a 31/03/2020)

Nova Zelândia de bicicleta, parte 1 – Ilha Sul. Um país de belas paisagens, rios cristalinos, fauna e flora peculiares e o playground das camper vans e motor homes. (For other languages, please use the internet or browser translator)

Depois do Sudeste Asiático voamos para um novo continente, a Oceania. Havíamos pensado em visitar a Australia, inclusive a Tasmânia e posteriormente a Nova Zelândia, porém acabamos mudando de ideia com o passar da viagem. A Australia exigia na época desta postagem o valor de 145 dólares australianos por pessoa para emitir o visto de … Continue lendo Nova Zelândia de bicicleta, parte 1 – Ilha Sul. Um país de belas paisagens, rios cristalinos, fauna e flora peculiares e o playground das camper vans e motor homes. (For other languages, please use the internet or browser translator)

Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 5 – Malasia. Tropicalidade, ilhas bonitas, povo hospitaleiro e diversidade cutural . (For other languages, please use the browser or internet translator)

A Malásia foi nosso último país do Sudeste Asiático antes de voarmos pra outro continente, mais especificamente para a Nova Zelândia, na Oceania. Sabíamos muito pouco sobre o país antes de chegarmos por lá. Como já havíamos passado por muitos países islâmicos, já tínhamos alguma ideia de como seria este ponto por lá, mas todo … Continue lendo Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 5 – Malasia. Tropicalidade, ilhas bonitas, povo hospitaleiro e diversidade cutural . (For other languages, please use the browser or internet translator)

Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 4 – Tailândia, primeira parte. Povo alegre, culinária saborosa, belas praias e boa infra-estrutura. Sawadee kaaaaa! . (For other languages, please use the browser or internet translator)

Entramos duas vezes na Tailândia, quando saímos do Laos sentido Camboja e depois vindos do Cambodia e indo sentido sul para a Malasia. Vamos agrupar os dois trechos em 2 posts seguidos para ficar mais fácil a organização do Blog. Foi o país pelo qual mais pedalamos no sudeste asiático e um dos que mais … Continue lendo Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 4 – Tailândia, primeira parte. Povo alegre, culinária saborosa, belas praias e boa infra-estrutura. Sawadee kaaaaa! . (For other languages, please use the browser or internet translator)

Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 3- Camboja. Um país de rica história, problemas sócio-econômicos, o maior complexo de templos do mundo e que está se recuperando do legado de um regime político totalitário que assolou o país . (For other languages, please use the browser or internet translator)

Para chegar ao Camboja, cruzamos do Laos para a Tailândia, percorremos um trecho em terras tailandesas e depois entramos no país por uma fronteira chamada Chong Chom e saindo em direção a Tailândia novamente por Poipet. Os trechos da Tailândia vamos postar em conjunto para facilitar a organização do Blog. Percorremos cerca de 350 km … Continue lendo Sudeste Asiático de bicicleta. Trecho 3- Camboja. Um país de rica história, problemas sócio-econômicos, o maior complexo de templos do mundo e que está se recuperando do legado de um regime político totalitário que assolou o país . (For other languages, please use the browser or internet translator)

O “Mantra do Pedal”. Por que mudamos nossos planos após a Ásia Central?

Quando viajamos de bicicleta, em muitos dias passamos várias horas sentados e diferentemente do que pode parecer a maioria dos dias são muito comuns e alguns monótonos. Momentos de surpresa e paisagens surpreendentes acontecem, mas não é a maioria do tempo que passamos pedalando. Logo, na maioria do tempo os estímulos externos não nos distraem … Continue lendo O “Mantra do Pedal”. Por que mudamos nossos planos após a Ásia Central?