Ruta 40 mais ao sul e os loucos ventos patagônicos argentinos / Southern route 40 and the insane patagonean winds at Argentina.

IMG_20180201_133259_443

A região da Patagônia argentina é famosa pelos seus ventos, mas não tínhamos ideia do que nos esperava até realmente cruzá-la através da Ruta 40 até a divisa com o Chile. The Argentine Patagonia region is famous for its winds, but we had no idea what was waiting for us until we actually crossed it through Route 40 to the border with Chile.

IMG_20180131_183132_644Saímos da Carretera Austral no Chile por Puerto Ibañez e entramos na Argentina por Los Antíguos, onde passamos uma noite no Camping Municipal, um lugar muito bom, porém um pouco agitado aos finais de semana. Durante a noite pararam uma caminhonete enorme próximo a nossa barraca, colocaram som alto e começou a maior festa, sem o mínimo respeito pelos outros que estavam acampando ao redor. Acabamos mudando nossa barraca para outro lugar mais afastado no meio da madrugada para conseguirmos dormir. Infelizmente este é um problema relativamente comum em áreas de camping na Argentina e Chile. We left the Carretera Austral in Chile at Puerto Ibañez and we entered Argentina through Los Antiguos, where we spent one night at Camping Municipal, a very good place, but a little busy at the weekend. During the night they stopped a huge pickup truck near our tent, put on loud music and started the biggest party, without the slightest respect for the others who were camping around. We ended up moving our tent to another place in the middle of the night so we could sleep. Unfortunately this is a relatively common problem in camping areas in Argentina and Chile.

IMG_20180131_182401_423

Seguimos de Los Antíguos por uma estrada que vai margeando o grande e belo Lago Buenos Aires sentido Perito Moreno, onde entraríamos na Ruta 40 Novamente. Neste trecho o vento era forte porém a favor (sentido Atlântico), fizemos uma parada no meio do caminho a beira do lago para curtir a paisagem e almoçarmos e seguimos viagem até Perito Moreno, onde ficamos em um pequeno camping municipal, bem mais tranquilo que o anterior e passamos uma noite tranquila. We followed from Los Antiguos by a road that goes bordering the great and beautiful Lake Buenos Aires to Perito Moreno, where we would enter Route 40 again. In this section the wind was strong but in favor (Atlantic), we stopped in the middle of the way by the lake to enjoy the landscape and to have lunch, before heading to Perito Moreno where we stayed in a small municipal camping, much quieter than the previous and we spent a quiet night.

IMG_20180131_235815_086

Em Perito Moreno entramos novamente na Ruta 40 sentido sul e o próximo vilarejo, Bajo Caracoles, fica a 130 km de lá. Sem povoados pelo caminho fizemos um estoque de água e comida e aproveitamos os ventos a favor para fazermos este trecho em 2 dias. No meio do caminho paramos próximo a um pequeno córrego, onde apanhamos água para cozinhar. Esta região é bem desértica e de relevo plano, sem muitos pontos de proteção para o vento para acampar. Antes de armarmos acampamento, passamos cerca de 1 hora buscando pedras bem pesadas para fixar bem a barraca ao solo. A noite ventou muito, a barraca sacudia como doida mas estava bem presa ao chão. In Perito Moreno we entered again on Route 40 south and the next village, Bajo Caracoles, is 130 km from there. Without villages along the way we made a stock of water and food and took advantage of the favorable winds to make this stretch in 2 days. In the middle of the way we stopped next to a small stream where we got water to cook. This region is very desert and with a flat relief, without many points of protection for the wind to camp. Before we set up camp, we spent about an hour searching for very heavy stones to secure the tent to the ground. The night blew a lot, the tent shook like crazy but was well attached to the ground.

Chegar em Bajo Caracoles foi bem surpreendente. Logo antes da cidade paramos para tirar uma foto da placa e ao fundo se via toda a cidadezinha. Imaginem uma mini cidade de 15 habitantes (Isso mesmo, QUINZE residentes) no meio do nada, com um posto de gasolina com duas bombas de combustíveis cheias de adesivos de viajantes de todos os lugares, uma escolinha, um posto policial, um posto médico, um hotel e o barulho de gerador a diesel ligado o dia todo para manter o vilarejo aceso. Tudo muito pitoresco. Getting to Bajo Caracoles was quite amazing. Just before the city we stopped to take a photo of the plaque and in the background we could see the whole town. Imagine a mini-city of 15 people (That’s right, FIFTEEN residents) in the middle of nowhere, with a gas station with two fuel bombs full of travelers’ patches everywhere, a school, a police station, a hotel and the diesel generator sound turned on all day to keep the village on. All very picturesque.

IMG_20180201_090229_657

IMG_20180201_090918_505

Lá fomos perguntar no posto policial onde poderíamos acampar e o encarregado nos orientou a procurar o enfermeiro Juan no posto médico que ele resolveria tudo. Bom, não entendendo nada andamos um minuto a chegamos ao local. Entrei e conheci o Enf Juan, que muito simpático e hospitaleiro, disse que adora receber os viajantes que passam por lá e tem até uma pequena casa que dispõe para isso. Achamos incrível, aceitamos a hospedagem e dividimos a casa com 2 casais que viajavam em moto e mais um grupo de 8 israelenses viajando de carro, que chegaram a noite. Foi divertido conhecer, conversar e compartilhar o jantar com essa galera toda. IMG_20180201_124650_993O Juan também aparecia por lá e conversávamos. A próxima cidade, Gobernador Gregores, ficava mais longe ainda, 226km dalí, então recarregamos a água e um pouco mais de comida. There we went to ask at the police station where we could camp and the manager directed us to look for the nurse Juan at the medical station that he would solve everything. Well, not understanding anything, we walked a minute to arrive at the place. I went in and I met Juan, who was very nice and hospitable, and said that he loves to receive the travelers that pass through there and even has a small house that he has for it. We found it incredible, we accepted the lodging and shared the house with 2 couples traveling by motorcycle and another group of 8 Israelis traveling by car, arriving at night. It was fun to meet, talk and share dinner with all these people. Juan also showed up there and we talked. The next city, Gobernador Gregores, was even farther, 226km away, so we reloaded the water and a little more food.

IMG_20180202_005418_829No trecho de Bajo Caracoles a Gobernador Gregores acampamos por três noites. Os ventos já começaram a ficar mais de lado, mas apesar de fortes ainda conseguíamos rodar uma média de 60 km por dia. Acampamos ao lado da rodovia,buscando algum lugar com algumas pedras para fixar a barraca. Teve um dos dias em que acampamos ao lado de um rio , Rio Chico, que era bem tranquilo e bonito, onde aproveitamos para repor água para cozinharmos, tomarmos um banho gelado no ria e lavar algumas roupas. Há um ponto de apoio estratégico no deste trecho, que se chama Las Horquetas. Trata-se de um hotel, também no meio do nada, onde conseguimos mais água e tomamos um tereré geladinho com um rapaz paraguaio que trabalhava por lá. In the stretch from Bajo Caracoles to Gobernador Gregores we camped for three nights. The winds have begun to get more sideways, but despite strong we could still run an average of 60 km per day. We camped next to the highway, looking for some place with some stones to put at the side of the tent. One of the days we camped by a river, Rio Chico, which was very quiet and beautiful, where we used to replenish water to cook, take a cold shower in the river and wash some clothes. There is a strategic point of support in this section, which is called Las Horquetas. This is a hotel, also in the middle of nowhere, where we got more water and had a tereré (cold “máte”) with a Paraguayan boy who worked there.

IMG_20180202_151242_976Entramos em Gobernador Gregores com fortes ventos a favor e parecia que estávamos andando de moto. Em alguns trechos mesmo sem pedalar, chegávamos a 30 km/h no plano. Nessa região a árvores longilíneas adaptadas para o vento, os Ciprestes, e balançavam muito com o vento. Sabíamos que o vento iria mudar na nossa saída de lá e já começamos a nos preparar psicologicamente para sofrer com ele. We entered Governor Gregores with strong winds in favor and it seemed we were riding a motorcycle. In some flat stretches even without pedaling, we arrived at 30 km / h. In this region there aret longiline trees adapted for the wind, the Cypress trees, and they were dancing much with the wind. We knew that the wind would change on our way out of there and we already began to prepare ourselves psychologically to suffer with it.

IMG_20180202_152306_150

A cidade de Gobernador Gregores é pequena, mas bem estruturada e com várias facilidades. Ficamos hospedados por 3 dias com uma incrível família que nos recebeu através do aplicativo CouchSurfing.com. Juan, sua esposa Lucia e sua filhinha Helena foram nossos anfitriões por estes dias. Acampamos no quintal da propriedade deles pois estavam com visitas e participamos de churrascos e outras atividades. Aproveitamos também para descansarmos, recarregarmos as baterias e colocar algumas coisas em dia. A hora de partir foi difícil por 3 motivos, adorámos conhecê-los, estava frio com uma chuvinha e havia um vento de cerca de 40 km/h na direção contrária, mas tínhamos que seguir. The city of Gobernador Gregores is small, but well structured and with several facilities. We stayed for 3 days with an amazing family who received us through the CouchSurfing.com app. Juan, his wife Lucia and her little daughter Helena were our hosts these days. We camped in the backyard of their property because they were with visitors and we participated in barbecues and other activities. We also rested, recharged the batteries and put some things up. The departure time was difficult for 3 reasons, we loved meeting them, it was cold with a rain and there was a wind of about 40 km / h in the opposite direction, but we had to keep moving on.

IMG_20180202_221915_174

E então começou a nossa luta contra os ventos patagônicos. Depois de Gobernador Gregores, o próximo povoado (Tres Lagos) fica a 173 km, só não sabíamos ainda é que apesar de todo esforço não conseguiríamos chegar pedalando até lá. And then began our fight against the Patagonian winds. After Gobernador Gregores, the next town (Tres Lagos) is 173 km away, we just did not know yet that despite all the effort we would not get there pedaling.

Saímos de Gobernador Gregores enfrentando um forte vento, raras vezes passando de 10 km/h com a bike. Logo no início tivemos que passar uma longa subida empurrando e depois dela veio um longo trecho plano, porém o vento somente piorava. Chegou uma hora que o vento apresentava rajadas de mais de 60 km/h de frente e de lado e era impossível ficar em cima da bicicleta. Parámos várias vezes e decidimos que não havia como pedalar assim e começamos a empurrar e fizemos isso por cerca de 30 km. No final da tarde estavamos mortos devido aos ventos e por empurrar a bicicleta um dia inteiro. Mas onde acampar com esta ventania toda? We left Gobernador Gregores facing a strong wind, rarely exceeding 10 km / h on bike. Early on we had to pass a long uphill pushing and after it came a long flat stretch, but the wind only worsened. There was a time when the wind had bursts of more than 60 km / h front and side and it was impossible to keep cycling. We stopped several times and decided that there was no way to pedal like that and we started to push and we did it for about 30 km. At the end of the afternoon we were dead due to the winds and for pushing the bike a whole day. But where to camp with this crazy wind?

IMG_20180203_095420_280

Foi então que vimos em uma parte mais alta da pista que havia ao lado uma área rebaixada e por onde passava um ducto de escoamento de água de chuva e degelo por baixo da pista e nesta época do ano estava tudo completamente seco. Baixamos a bicicleta até lá e armamos nossa barraca alí, o único local onde os ventos não atingiam com força. Haviam algumas ossadas e couro de animais nas proximidades, o que deixou a Flavinha com medo de “pumas”, mas nada que o cansaço e sono não resolvesse depois de prepararmos nosso jantar dentro da barraca. A noite o vento continuou e choveu forte. It was then that we saw in a higher part of the track that there was beside a recessed area and through which passed a duct of drainage of water of rain and melt snow under the track and at this time of year everything was completely dry. We lowered the bike there and set up our tent there, the only place where the winds did not hit hard. There were a few bones and animal skin hide in the vicinity, which left Flavinha afraid of “cougars,” but nothing that tiredness and sleep would not solve after we had prepared our dinner inside the tent. At night the wind continued and it rained.

IMG_20180203_103425_735Na manhã seguinte tínhamos esperança de que o vento iria dimunuir. A chuva passou, mas o vento estava mais forte ainda. Desarmamos acampamento e voltamos a empurrar a bicicleta, já preocupados. Sabíamos que lutar contra esses ventos loucos seria difícil e fazer mais que 30 km por dia praticamente impossível. Levaríamos pelo menos mais 5 dias para chegarmos em Tres Lagos do jeito que a situação estava, sem pontos de apoio pelo caminho, água escassa (bem diferente da Carretera Austral) e ainda um trecho longo de rípio que estava por vir para deixar tudo mais difícil ainda. The next morning we had hoped the wind would dim. The rain passed, but the wind was still stronger. We disarmed the camp and started to push the bike back, already worried. We knew that fighting those crazy winds would be difficult and making more than 30 km per day practically impossible. It would take us at least another 5 days to get to Tres Lagos, with no points of support along the way, scarce water (quite unlike the Carretera Austral), and a long stretch of dirtroad that was to make everything more difficult.

Não estávamos aproveitando mais este trecho, a paisagem era monótona, os ventos fortíssimos nos maltratavam, água e comida em risco e muita preocupação na cabeça, não tinha sentido ficar ali daquele jeito e decidimos novamente buscar uma carona assim que possível para nos tirar dali. Não preciso nem dizer que a Flavinha já começou a rezar. We were no longer enjoying this stretch, the scenery was monotonous, the winds were very bad, water and food at risk and a lot of worries in my head, it did not make sense to stay there like that and we decided again to get a ride as soon as possible to get us out of there. I do not even need to say that Flavinha has started to pray.

Neste momento era raro passar algum veículo. Se a reza da Flavinha funcionou ou não, eu não sei, mas depois de uns 10 km empurrando a bike passou um carro puxando um trailer, fizemos sinal e ele parou. O homem mal conseguia abrir os vidros de tanto vento e disse que éramos loucos de estarmos alí com esse tempo, ele disse que nossa bike era muito grande para colocar no trailer e com um olhar de procupação se despediu e continuou viagem. Nós seguimos empurrando a bicicleta e deste momento em diante não passava mais ninguém mesmo. At this time it was rare to get a vehicle. If Flavinha’s prayer worked or not, I do not know, but after 10 km pushing the bike passed a car pulling a trailer, we made a sign and it stopped. The man could hardly open the windows because of so much wind and said that we were crazy to be there with that weather, he said that our bike was too big to put inside the trailer and with a look of concern said goodbye and continued his journey. We kept pushing the bike and from that moment on, no more vehicles passed by us.

IMG_20180207_192827_762

Depois de 15 minutos eis que surge no horizonte um farol em sentido contrário. Era a família do trailer voltando para nos resgatar. Foi nesse momento que conhecêmos melhor o Mario e sua família, nossos anjos deste dia. Ele disse que depois que falou conosco foi dirigindo pensando em como poderia nos ajudar e decidiu voltar e tentar amarrar a bike no teto do trailer. Como o quadro da bicicleta divide ao meio, conseguimos meio que dobrá-la e colocá-la no trailer, seguindo viagem de carro com esta simpática família. Durante o caminho dentro do carro pudemos ver do que nos livramos, os ventos jogavam o carro para os lados e o trecho de rípio era longo e com muitas pedras grandes, levaríamos muitos dias para vencer isso de bicicleta, com o risco de ficarmos sem água. After 15 minutes, there was a light on the horizon. It was the trailer family coming back to rescue us. It was at this moment that we got to know Mario and his family, our angels of this day. He said that after he spoke to us he was driving thinking about how he could help us and decided to go back and try to tie the bike on the roof of the trailer. As the frame of the bike divides in half, we managed to half-fold it and put it in the trailer, following a car trip with this nice family. During the drive in the car we could see what we were getting rid of, the winds would throw the car sideways, and the snag would be long, and with lots of big rocks, it would take us many days to beat that by bike, taking the risk of running out of water .

IMG_20180207_194733_078O Mário acabou nos levando até mais adiante, o que foi muito bom. Ele nos deixou em El Calafate, onde ficou com sua família também. Nos despedimos com um abraço em todos e um sorriso enorme de agradecimento a alívio por ter tudo dado certo de alguma maneira. Nos instalamos no camping El Ovejero, que apresentava uma estrutura e localização muito bacana, além de bom preço. Mario ended up taking us further, which was very good. He left us in El Calafate, where he stayed with his family as well. We said goodbye with a hug in everyone and a huge smile of thanks to the relief that everything worked out somehow. We settled in the camping El Ovejero, which had a very nice structure and location, besides good price.

El Calafate é uma cidade linda e muito turística, com atrativos muito interessantes ao redor. Vamos dedicar um post especial a ela. El Calafate is a beautiful and very touristy city, with very interesting attractions around. We will dedicate a special post to it.

IMG_20180215_001918_051

Na saída de El Calafate, outra surpresa, meu pedal quebrou depois de 10 km e tivemos que voltar comigo pedalando em 1 pé só e a Flavinha fazendo um esforço extra. Ficamos por mais 1 noite na cidade, até que eu conseguisse consertar o pedal e voltássemos a estrada. Trocamos de camping e conhecêmos dois casais de brasileiros que viajavam com seus “caminhões home” pela Patagônia. At the exit of El Calafate, another surprise, my pedal broke after 10 km and we had to return with me pedaling in 1 foot alone and Flavinha making the extra effort. We stayed for another night in the city, until I could fix the pedal and get back on the road. We changed camping and met two couples of Brazilians who traveled with their “trucks home” in Patagonia.

IMG_20180215_004710_020Depois de El Calafate sabíamos que o próximo ponto de apoio fica a cerca de 160 km dalí, a estação de serviços Taipe Aike. Fizemos nosso estoque de comida e água e seguimos. Este trecho continuava com ventos, não tão fortes como anteriormente, mas ainda deixavam a pedalada pesada em alguns momentos. Enfrentamos uma longa subida até chegar no local de camping selvagem no final do dia, uma florida área verda logo ao lado da rodovia, onde passamos uma noite bem chuvosa. After El Calafate we knew that the next point of support is about 160 km, the service station Taipe Aike. We made our stock of food and water and went on. This stretch continued with winds, not as strong as before, but still left the pedaling heavy at times. We faced a long climb until we reached the wild camping site at the end of the day, a real flowered area just off the highway, where we spent a very rainy night.

IMG_20180217_155432_059

Neste pedaço da Ruta 40 já nos sentimos um pouco mais animados, pois havia mais fontes de água pelo caminho e começamos a encontrar alguns outros cicloviajantes também. In this section of Route 40 we felt a little more excited because there were more water sources along the way and we started to find some other cycle tourists as well.

O próximo ponto de camping selvagem foi em um posto policial abandonado, no meio de um trecho da ruta 40 que é todo de rípio e pedras soltas. O posto polícial estava limpinho e com a porta dos fundos aberta. Decidimos dormir dentro e tivemos uma noite tranquila e silenciosa. Antes de dormirmos ficamos olhando por uma grande janela um dos céus mais estrelados de nossas vidas. Naquela imensidão silenciosa patagônica, vimos luzes que se mexiam nos céus e dormimos com medo de sermos abduzidos por algum alienígena. Mas por que abduzir dois humanos se há tantos guanacos por aí?? Ainda mais dentro de um posto policial,não seriam tão ousados. Uma coisa que descobrimos depois é que as vezes a polícia faz umas visistas de madrugada neste posto abandonado para surpreender possíveis “invasores”. Tivemos sorte. The next wild camping spot was at an abandoned police station, in the middle of a stretch of Route 40 which is all of dirtroad and loose rocks. The police station was clean and the back door was open. We decided to sleep inside and had a quiet and peaceful night. Before we went to sleep we looked out of a big window at one of the most starry skies in our lives. In that quiet Patagonian immensity, we saw lights that moved in the sky and we slept in fear of being abducted by some alien. But why abduct two humans if there are so many guanacos around? Even more inside a police station, they would not be so bold. One thing we find out later is that sometimes the police do a late-night viewers at this abandoned post to surprise potential “invaders.” We were lucky.

IMG_20180217_181455_060

No outro dia continuámos de Ruta 40 de terra e a estrada foi ficando cada vez pior e com mais pedras soltas, a bicicleta sacudia demais e era difícil manter o equilíbrio. Comecei a notar algo estranho na frente da bicicleta e quando paramos para uma inspeção melhor, veio o susto. O garfo estava começando a rachar em uma das soldas. The other day we continued on Route 40 and the road got worse and worse with more loose rocks, the bike was shaking too much and it was difficult to keep our balance. I started to notice something strange in front of the bike and when we stopped for a better inspection came the fright. The fork was starting to crack in one of the welds.

Até a estação de serviços Taipe Aike ainda faltavam 9 km e decidimos não forçar o garfo . Começamos a empurrar a bicicleta e quando olhamos para trás, vinha um motor home. Por que não tentar a sorte novamente? The Taipe Aike service station was 9 km away and we decided not to force the fork. We started to push the bike and when we looked back, came a motor home. Why not try our luck again?

Fizemos sinal e o motor home parou. Tivemos tanta sorte, que além deles aceitarem nos dar carona até a estação de serviços, o Pepe, que dirigia o carro, ainda entendia de solda. Na estação de serviço a Flavinha ficou com a esposa do Pepe e criançada no carro enquanto eu fui com ele perguntar se tinham uma maquina de soldar alí. Eles forneceram a máquina e o Pepe fez uma solda de emergência e perguntou: “Nós íamos para Torres del Paine, mas como está fechado, se quiserem levamos vocês até Puerto Natales (Chile) e lá você pode reforçar essa solda e seguir tranquilo. Que tal?” We signaled and the motor home stopped. We were so lucky that besides they agreed to give us a ride to the service station, Pepe, who drove the car, still understood soldering. At the service station, Flavinha stayed with Pepe’s wife in the car while I went with him to ask if they had a soldering machine there. They provided the machine and Pepe did an emergency welding and asked: “We were going to Torres del Paine, but as it is closed, if you want we will take you to Puerto Natales (Chile) and there you can reinforce this weld and remain calm. Would you like?

IMG_20180218_094654_835Com medo de algum problema na solda e sem muitos atrativos neste final da Ruta 40, aceitamos o convite e seguimos de carona com o Pepe e sua simpática família até a cidade de Puerto Natales no Chile. Chegamos em uma noite de muito frio e vento. Nos despedimos de mais estes nossos anjos salvadores e ficamos em um camping. Ainda encontramos com eles mais uma vez na cidade, papeamos e tomamos sorvetes. Fearing some welding problem and without much attraction in this end of Route 40, we accepted the invitation and we went with Pepe and his friendly family to the city of Puerto Natales in Chile. We arrived on a very cold and windy night. We said goodbye to our savior angels and stayed at a campsite. We still met them once more in the city and had some ice cream together.

E assim, com muitas aventuras, ventos loucos, novas amizades e ajuda de pessoas especiais, conseguímos vencer o final da Ruta 40 e seus loucos ventos patagônicos. And so, with many adventures, crazy winds, new friends and help from special people, we managed to win the end of Route 40 and its crazy Patagonian winds.

Se você vai pedalar por estes lados algum dia, não subestime as forças da natureza que vivem neste canto do planeta, elas podem ser implacáveis. If you are going to ride cycle around Patagonia someday, do not underestimate the forces of nature that live in this corner of the planet, they can be relentless.

IMG_20180215_004231_033

Um comentário sobre “Ruta 40 mais ao sul e os loucos ventos patagônicos argentinos / Southern route 40 and the insane patagonean winds at Argentina.

  1. Pingback: O estreito de Magalhães / The Magallanes strait. | 2fortrips

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s